Quando há justiça

Após o requerente ter perguntado na CML se os regulamentos expostos temem ou não de ser respeitados, o funcionário respondeu no dia 16.04.2007 ás 9,30 horas que sim, mas só pelo civilista.

Até á data, na Câmara de Leira não eram respeitados os regulamentos expostos, rodado tudo adequadamente com a regularidade que o funcionário entendia.

Quando se recorre á justiça então o funcionário da CML toma o conhecimento que realmente os regulamentos expostos não são só para o civilista respeitar.

Injustamente, a CML transgride á custa do cidadão. Aqui as custas do processo que o empregado camarário provocou, deve de ser-lhe descontado no ordenado mensal que lhe é atribuído.

Conclusão judicial

O acusado não transgrediu qualquer regulamento nem têm de pagar a coima que a Câmara Municipal de Leiria lhe queria roubar.